O Programa Cultural
de Agrupamento

Programa Cultural de Agrupamento – Liberdade para Criar | Iniciado em setembro de 2018

INTRODUÇÃO

Considerando que o acesso à cultura para todos os cidadãos, nas diferentes dimensões da fruição e da experimentação está consagrado na Constituição da Républica Portuguesa, na Lei de Bases do Sistema Educativo (LBSE) e nos Programas de Governo desde 25 de Abril de 1974.

Assumindo que a Educação deve mobilizar todas as linguagens e não apenas as que são consideradas socialmente úteis e que deve levar o ser humano a ser o que É e o que ainda não É, que a Estética assume modos de conhecer mobilizando os vários sentidos, e que a Arte é uma área do conhecimento que entra em relação com outros saberes, num constante exercício de interrogação do mundo, é de primordial importância que as crianças comecem, desde cedo, a ter acesso a diferentes formas de construir ideias, sendo, neste contexto, a dimensão estética e artística consideradas como uma parte fundamental para a abertura de horizontes imagéticos, teatrais, musicais, cinematográficos, quer pela pela fruição, quer pela experimentação, viabilizando, deste modo, a vivência e a criação de mundos onde confluem realidades plurais, facilitando a formação de cidadãos mais reflexivos e criativos.

De acordo com estas ideias- chave, o Programa Cultural do Agrupamento Vertical Almeida Garrett: Liberdade para Criar assume-se como uma estratégia integrada nas áreas da educação e cultura para todas as idades, concretizado através de um plano de intervenção centrado na Educação Estética e Artística, antecipando a cultura como uma necessidade no processo educativo e um modo de desenvolver a “consciência e sensibilidade culturais”.

CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO

O Agrupamento de Escolas de Almeida Garrett, constituído no ano 2000, está localizado na freguesia de Alfragide, concelho da Amadora. É composto por quatro escolas, três de educação pré-escolar e 1.o ciclo (EB1/JI da Quinta Grande, EB1/JI de Alfragide e EB1/JI do Alto do Moinho) e uma de 2.o e 3.o ciclos (EB 2,3 de Almeida Garrett), escola sede, que correspondem a realidades distintas e possuem características próprias

No presente ano letivo, o Agrupamento é frequentado por 1181 alunos, sendo 137 da educação pré-escolar (seis grupos), 501 do 1.o ciclo do ensino básico (23 turmas), 239 do 2.o ciclo (11 turmas, duas com percursos curriculares alternativos), 304 do 3.o ciclo (15 turmas, duas com percursos curriculares alternativos

Da totalidade da população escolar, 5% são estrangeiros, provenientes de 16 países diferentes, com maior expressão dos de origem cabo-verdiana e brasileira. Quanto à ação social escolar, 53% dos alunos não beneficiam de auxílios económicos.

A prestação do serviço educativo é assegurada por 95 docentes, dos quais cerca de 80% pertencem aos quadros. Os não docentes totalizam 46 trabalhadores, dos quais 37 são assistentes operacionais, sete assistentes técnicos, uma psicóloga e uma técnica de serviço social. O Agrupamento dispõe também de um vigilante da Equipa de Missão para a Segurança Escolar que exerce funções na Escola Básica do Alto do Moinho (Caracterização do Agrupamento adaptada do Relatório da IGEC, 2016 / 2017 e do Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas.)

EIXOS DE INTERVENÇÃO E PRESSUPOSTOS

O Programa Cultural compreende um plano de intervenção no domínio das diferentes formas de arte: Artes Visuais, Música, Dança, Teatro, Cinema, Fotografia, Curadoria para a Infância e diferentes cruzamentos disciplinares, conjugando dois eixos de intervenção:

1. Formação de docentes e não docentes, baseada com um modelo centrado na integração de experimentação de conceitos pela sua vivência em sessões teórico-práticas, a reflexão das práticas desenvolvidas em sessões de partilha e de acompanhamento.

2. Articulação com instituições culturais, de modo a que a comunidade educativa efetive o direito à fruição dos diferentes universos culturais.

De acordo com os dois eixos de intervenção, o Programa tem os seguintes pressupostos:

a) Abranger os docentes e não docentes, crianças e jovens, e famílias desde a Educação Pré-Escolar até 3o Ciclo do Ensino Básico;

b) Promover dinâmicas de trabalho sistemático ao nível da Educação Artística;

c) Desenvolver ações conjuntas entre o Agrupamento e as Instituições Culturais, através de parcerias, em que cada uma das instituições conjugue objectivos, ações, estratégias, processos de trabalho e os recursos materiais a disponibilizar;

d) Promover a articulação curricular entre os vários ciclos de ensino;

e) Avaliar as práticas desenvolvidas pelos docentes e inventariar linhas de investigação relevantes para o aperfeiçoamento das práticas, na área das artes, em contexto escolar.

FINALIDADES

Para a sua concretização enunciam-se as seguintes finalidades:

– Valorizar a arte como uma área do conhecimento;
– Formar, em contexto de trabalho, os profissionais de educação, de acordo com três dimensões, que são comuns às várias áreas e à filosofia de intervenção do referido Programa, a saber:

Fruição – Contemplação – Pretende-se, de uma forma sistemática, organizada e globalizante, desenvolver as capacidades de apreensão e de interpretação no contacto com os diferentes universos culturais.

Interpretação – Reflexão – Incentiva-se, a partir da experiência pessoal de cada pessoa, a apreciação estética e artística, através dos processos de observação, descrição, discriminação, análise, síntese e juízo crítico.

Experimentação – Criação – Conjugam-se a experiência pessoal, a reflexão, os conhecimentos adquiridos através de exercícios e de técnicas, para a expressão de conceitos e temáticas, procurando a criação de um sistema próprio de trabalho

Incentivar a dimensão estética da educação através da apropriação de linguagens de várias formas de arte;

Envolver a comunidade educativa no desenvolvimento do gosto pelas diferentes formas artísticas.

PLANO DE AÇÃO

As diferentes ações serão organizadas segundo uma lógica de sistematicidade, simultaneidade e articulação, de modo a potenciar o envolvimento de todos, desenvolvendo a Educação Artística no Agrupamento, contando com a Equipa de Curadoria, constituída por Adélia Morais (docente de Educação Visual e Tecnológica), António Limpo (Atividades Artísticas e Comunicação), Elisa Marques (Coordenadora), José Brás (Docente de Educação Visual e Tecnológica), Isabel Caetano (Docente de Físico-Química), Nuno Nunes (Docente de Educação Visual e Tecnológica) e Tomás Patrocínio (Docente de Matemática).

O Programa Cultural de Agrupamento é coordenado por Elisa Marques, autora do Programa de Educação Estética e Artística do Ministério da Educação.

ELISA MARQUES

Autora do Programa de Educação Estética e Artística em contexto escolar (PEEA), em 2009, e de vários subprogramas no âmbito do referido Programa, destacando-se, entre outros, “Museu para que te Quero?” e “Curadoria para a Infância”.

Exerceu as funções de Coordenadora da Equipa de Educação Estética e Artística do Ministério da Educação, entre maio de 2009 e junho de 2018; foi coordenadora das Metas de Aprendizagem de Educação Artística (Pré- Escolar até ao 3.º ciclo) e autora das Metas de Aprendizagem de Artes Visuais para o 1.º Ciclo do Ensino Básico (2009/10). Coordenou a Equipa das Aprendizagens Essenciais na Educação Artística do 1.º Ciclo do Ensino Básico (2017). Co-autora das Competências Essenciais de Educação Artística (2007).

Foi professora convidada da Escola Superior de Educação de Lisboa, da Faculdade de Belas Artes de Lisboa e da Universidade Aberta.

Autora de vários artigos e publicações no domínio da Educação e da Arte, destacando-se a autoria “Trans (Formar) o Olhar” (2003), da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa (FCT/UNL); “Arte para Quê?” (2005) da Fundação Calouste Gulbenkian (FCG) e do CD-ROM “31 Alerta Imagens à Descoberta” (2005) e “Distância por um Fio” (2005); respectivamente editados pelo Ministério da Educação e pela Fundação Portuguesa das Comunicações, bem como a co-autoria do “Primeiro Olhar” (2002) Programa Integrado de Artes Visuais da Fundação Calouste Gulbenkian (FCG).

 

Foi membro do Grupo de Trabalho “Cultural Awareness and Expression”, na Comissão Europeia, em representação do Ministério da Educação e Ciência (2014-2016). Fez parte do Grupo de Trabalho da Estratégia Nacional da Educação e Cultura (ENEC) e coordenou o “Portal Das Experiências Culturais.”(2013-2016).

Proferiu várias conferências no âmbito da Educação Artística e organizou vários Encontros e Conferências nos domínios da Arte, Ciências e Tecnologia.

Colaboradora durante vários anos no Centro Artístico Infantil da FCG, nas áreas da Pedagogia e da Arte. Foi investigadora do grupo “Investigação e Desenvolvimento Estético” na FCG e na FCT/UNL.

Exerceu funções de coordenação no projeto “DiaLugares” da FCT/UNL, no âmbito do Programa Almada Cidade Digital. Foi, ainda, supervisora pedagógica de vários programas de investigação – acção no domínio da Arte e Educação e de uma série televisiva para crianças.

Agraciada com o Diploma de Reconhecimento e a Medalha de Mérito, pelo trabalho em prol da Ética, da Responsabilidade Social e da Sustentabilidade pela a Associação Portuguesa de Ética Empresarial [APEE] e a Global Compact Network Portugal [GCNP], a rede portuguesa da iniciativa das Nações Unidas para a sustentabilidade empresarial, num processo de consulta pública em maio de  2018.